Menu

Brasil reforça padrões regulatórios para proteger abelhas

Avaliação de risco de agrotóxicos visa frear o desaparecimento de espécies, que já é realidade nos Estados Unidos e países europeus.

Imagem: Cristiano Menezes
Publicado em 2 de março de 2017 às 13:45 Compartilhar:

Via Canal Rural

A Instrução Normativa n°2 do Intituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), publicada no ínício de fevereiro no Diário Oficial da União, torna mais rígida a avaliação de risco de agrotóxicos que ainda não existem no brasil e também a reavaliação de produtos que já se encontram no mercado brasileiro.

O objetivo é frear o desaparecimento de espécies de abelhas no País e evitar a síndrome conhecida como Distúrbio do Colapso das Colônias (CCD, sigla em inglês) , que já é realidade nos Estados Unidos e em países europeus.

A publicação desse documento é resultado do esforço conjunto do Ibama, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e representantes da Academia e da Industria, que em 2015, constituíram um grupo técnico de trabalho para discutir procedimentos de avaliação de risco com foco nos polinizadores, mais especificamente as abelhas.

A produção de mel no Brasil movimenta mais de 300 milhões de reais por ano. O valor é expressivo, mas na verdade a importância das abelhas para a economia nacional vai muito além da produção de mel. Cerca de 70% das palntas utilizadas no consumo humano dependem de polinização e as abelhas são os principais agentes polinizadores.

Das 141 espécies de plantas cultivadas no Brasil para uso na alimentação humana, produção animal, biodiesel e fibras, aproximadamente 60%, ou seja, 85 espécies dependem da polinização animal. Estima-se que o valor econômico da polinização feita por insetos, principalmente abelhas, corresponde a 9,5% da produção agrícola. Por esses dados, é possível prever o quanto um colapso nas populações de abelhas poderia causar.

Passo Importante

Segundo a pesquisadora da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia Carmen Pires, que é membro do grupo de trabalho, a Instrução Normativa é um avanço na legislação brasileira responsável pelo registro de produtos utilizados na agricultura. Isso porque estabelece diretrizes, requisitos e procedimentos para a avaliação dos riscos de ingredientes ativos de agrotóxicos para insetos polinizadores, utilizando a abelha exótica Apis melifera e espécies da fauna brasileira como organismos indicadores.

Vale ressaltar que essa avaliação se restringe aos ingredientes ativos ainda não registrados no Brasil e também aqueles submetidos a reavaliação e a novos pleitos de produtos formulados á base de ingredientes ativos que já tenham sido submetidos á avaliação de risco para insetos polinizadores.

Carmen vê a Isntrução Normativa como um instrumento muito importante em prol da preservação das abelhas no Brasil. Ela lembra que, em breve, será publicado um manual que orientará a aplicação dessa norma, além de um treinamento aberto a todos os interessados, no qual as bases de avaliação re risco e todas as mudanças envolvidas nesse processo serão melhor detalhadas.

Os agrotóxicos não são os únicos responsáveis pelo desaparecimento de colônias de abelhas no mundo. Junto com eles, há outros fatores que merecem atenção, como a perda dos habitats naturais desses insetos em decorrência dos diversos usos da terra; patógenos e parasitas que atacam as colônias e mudanças climáticas.

“Trata-se de um documento oficial que melhora a qualidade das avaliações de risco dos agrotóxicos, especialmente em um país como o Brasil, que hoje é o maior consumidor desses produtos no mundo (consome 86% dos defensivos químicos da América Latina e 20% do total mundial) é um passo e tanto na nossa luta para afastar o fantasma da CCD no País,” enfatiza a pesquisadora.

Compartilhar: