Capivaras possuem mecanismo próprio de combate ao Câncer | Ecoa
Menu

Capivaras possuem mecanismo próprio de combate ao Câncer

Pesquisa científica descobriu relação entre insulina e mecanismo genético anticâncer nos maiores roedores do mundo

Foto: Franz Lanting via National Geographic
Publicado em 5 de fevereiro de 2019 às 14:18 Compartilhar:

Pesquisa científica: O time de cientistas da Colômbia, Suécia e dos Estado Unidos publicaram um novo estudo na plataforma científica bioRxiv sobre a genética das capivaras. Além de encontrar pistas de um sistema de crescimento acelerado, o estudo também encontrou a assinatura genética de um mecanismo anticâncer que pode servir de inspiração para novos tratamentos.

Insulina: De acordo com a nova pesquisa, liderada por Santiago Herrera-Álvarez  da Universidad de Los Andes, o segredo do tamanho das capivaras estava escondido há muito tempo em seu DNA. Caviomorfos, o subgrupo de roedores que contém as capivaras, tem uma forma única de insulina.

Responsável por regular o açúcar no sangue, a insulina também é responsável pela divisão celular desses animais. Herrera-Álvarez e seus colegas descobriram que capivaras não produziam mais insulina. Ao invés disso, milhões de anos de seleção natural aumentaram a habilidade de sua insulina mandar as células se dividirem, aumentando seu crescimento e dando origem ao animal peludo de mais de 45 quilos.

Mecanismo anticâncer: Quanto maior é o animal, maior é a quantidade de células e, consequentemente, o risco de desenvolver células cancerígenas. No entanto, biólogos descobriram vários mecanismos que animais maiores desenvolveram para parar o câncer antes que ele comece, conhecido como Paradoxo de Peto.

No caso das capivaras, o grupo de Herrera-Álvarez descobriu que o genoma desses roedores mostrou sinais de que seu sistema imunológico é muito eficiente em detectar e destruir células que estão se dividindo rápido demais. Em outras palavras, capivaras desenvolveram sua própria forma de imunoterapia contra o câncer.

Para ler a matéria completa do National Geographic, acesse o link.

Foto: Frans Lanting

Compartilhar: