Menu

Estadualização de Parque de Chapada é inviável, segundo MPF

MPE também emitiu nota contra a estadualização. Confira no site da Ecoa

1-copy-uc
Publicado em 19 de junho de 2018 às 17:21 Compartilhar:

Via HiperNotícias
Por Jéssica Bachega

O Ministério Público Federal (MPF) manifestou, por meio de nota, a impossibilidade da estadualização do Parque Nacional de Chapada dos Guimarães. O tema é debatido em audiência pública na Assembleia Legislativa. O procurador da República, Pedro Melo Pouchain Ribeiro, afirma que o debate sobre a conservação do parque é válido, mas que a área está sob proteção federal e que torná-lo responsabilidade do Estado seria inviável.

O procurador alerta que a desapropriação do espaço, pelo Estado, é um projeto natimorto, considerando a proteção integral da área, bem como a falta de condições financeiras do governo de Mato Grosso para a manutenção do Parque.

“Some-se a tudo isso ser notória a atual dificuldade orçamentária do estado de Mato Grosso; o que já lhe tem comprometido o bom cumprimento de suas mais básicas obrigações financeiras, pondo dúvida sobre sua real capacidade de gerir e aportar recursos em grau mais satisfatório em uma das mais importantes e sensíveis unidades de conservação do estado”, diz trecho da nota.

Confira nota

Aportou a esta Procuradoria da República no estado de Mato Grosso o convite do Deputado Estadual, Wilson Santos, para participação em audiência pública a ser realizada neste dia 18 de junho de 2018, na sede da Assembleia Legislativa, para debater a “Estadualização do Parque Nacional Chapada dos Guimarães”. Diante da mobilização da sociedade civil organizada quanto ao tema e com o intuito de contribuir na boa direção dos trabalhos, reputou-se oportuno a divulgação pela presente via do entendimento deste órgão ministerial.

Importa ressaltar que as audiências públicas são fóruns adequados para a qualificação e livre circulação de ideias. Nesse sentido, em alguma medida, este evento busca fomentar a participação popular na gestão ambiental do estado de Mato Grosso.

Quanto ao mérito da proposta, alerta-se que uma súbita proposta de “estadualização” do Parque Nacional Chapada dos Guimarães parece natimorta. É que o Parque Nacional Chapada dos Guimarães se constitui em unidade de conservação de proteção integral, de posse e domínio federal. Por esse motivo, encontra-se fora da esfera de poder do estado de Mato Grosso a desapropriação do referido imóvel. Isso se dá por expressa vedação legal2, já devidamente reconhecida pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

E, como se não bastasse, especificamente para hipótese de sobreposição de interesses federal e estadual na conservação ambiental de uma determinada área – sem nem mesmo aprofundar às consequências indesejadas de um potencial conflito federativo entre Mato Grosso e União Federal – a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal tem conferido preponderância ao interesse federal por seu caráter mais abrangente.

Some-se a tudo isso ser notória a atual dificuldade orçamentária do estado de Mato Grosso; o que já lhe tem comprometido o bom cumprimento de suas mais básicas obrigações financeiras, pondo dúvida sobre sua real capacidade de gerir e aportar recursos em grau mais satisfatório em uma das mais importantes e sensíveis unidades de conservação do estado.

Por tudo isso, sugere-se que esta audiência pública, como típico fórum para o exercício da democracia deliberativa, possa ser melhor aproveitada para o debate e discussão da gestão ambiental estadual em suas próprias unidades de conservação, tanto em termos de fortalecimento de estrutura como, principalmente, na elaboração e implementação dos necessários planos de manejo.

Cuiabá, 18 de junho de 2018.

Pedro Melo Pouchain Ribeiro

Procurador da República

Compartilhar: