Menu

Arquivos: IIRSA e Biocombustíveis

IIRSA

A Iniciativa de Integração da Infra-estrutura Regional Sul-americana, mais conhecida como IIRSA, é um processo multisetorial que pretende desenvolver e integrar as áreas de transporte, energia e telecomunicações da América do Sul, em dez anos.

O plano foi criado oficialmente em 2000, durante a Reunião dos Presidentes da América do Sul, em Brasília, com a finalidade de integrar fisicamente a região. A base do planejamento são 10 Eixos de Integração da América do Sul que abrangem faixas geográficas de vários países que concentram ou possuem potencial para desenvolver bons fluxos comerciais, visando formar cadeias produtivas e assim estimular o “desenvolvimento regional”.

A coordenação operacional da IIRSA está a cargo da Corporación Andina de Fomento (CAF), do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e do Fundo Financeiro para o Desenvolvimento da Bacia do Prata (Fonplata).

As negociações para a concretização da IIRSA têm evoluído, pois o presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, encabeçou o projeto e o Banco Nacional do Desenvolvimento Social e Econômico (BNDES) já está financiando obras integrantes da iniciativa, embora não esteja inserido formalmente na IIRSA.

A Coalizão Rios Vivos não é contra a integração das Américas. Acredita que é possível integrar a economia, a tecnologia, a cultura e a educação das Américas sem destruir, através de megaempreendimentos, com ecossistemas únicos, como a Amazônia e o Pantanal.

Biocombustíveis 

O tema biocombustíveis é prioritário na agenda da Ecoa, devido à necessidade de entender fenômenos relacionados à expansão da produção com decisivas repercussões econômicas, sociais, ambientais e políticas. O objetivo é ultrapassar a superfície de muitas das opiniões, posições e mesmo alguns consensos estabelecidos e disseminados na sociedade, particularmente aqueles apresentados ou mais evidentes a partir da construção das atuais políticas relacionadas ao setor – como as indicadas no Plano Nacional de Agroenergia do Ministério da Agricultura, da Pecuária e Abastecimento, segunda edição revisada.

Para o processo de definição de estratégias a partir da agenda “biocombustíveis”, estão previstos estudos, análises, debates e a promoção de articulações na sociedade civil para a construção de critérios adequados para a produção. Nosso ponto de partida foi a busca de informações sobre a competição por terras entre o plantio da cana-de-açúcar e a produção de grãos, tomando por base unidades ambientais. As conclusões e avanços terão constante atualização neste site, onde também estará disponível um banco de dados sobre empreendimentos no setor de biocombustíveis e as principais informações e notícias sobre o tema.