Mudança climática é considerada ‘multiplicadora de ameaças’ à paz e segurança em níveis globais | Ecoa
Menu

Mudança climática é considerada ‘multiplicadora de ameaças’ à paz e segurança em níveis globais

A pesquisa foi realizada em 26 países e apontou que as ameaças climáticas são a principal preocupação de 13 países, incluindo o Brasil

Via Freepik
Publicado em 15 de março de 2019 às 15:53 Compartilhar:

Preocupação global: O estudo divulgado pelo Centro de Pesquisas Pew, sediado em Washington, mostra que as mudanças climáticas estão no topo do ranking da lista das maiores preocupações mundiais sobre segurança, seguida pelo do terrorismo e dos ataques cibernéticos. A pesquisa foi realizada em 26 países e apontou que as ameaças climáticas são a principal preocupação de 13 países, incluindo o Brasil.

Mudanças climáticas e outras ameaças: Em janeiro, o Conselho de Segurança das Nações Unidas realizou debate aberto para trazer à tona a discussão sobre a capacidade “multiplicadora de ameaças” das mudanças climáticas e reconhece-las como pauta do órgão de paz e segurança da ONU. De acordo com a subsecretária-geral da ONU para Assuntos Políticos Rosemary DiCarlo, existe uma relação complexa entre os riscos climáticos e os conflitos políticos, sociais, econômicos e demográficos. As mudanças climáticas apresentam um potencial gerador de problemas como o aumento de conflitos por água, a redução de ganhos em nutrição e acesso à alimentos, além de outros riscos em níveis globais.

Juventudes em risco: A jovem pesquisadora sobre segurança ambiental Lindsay Getschel, foi convidada a discursar na plenária do Conselho de Segurança das Nações Unidas e trouxe à tona a importância de analisar os impactos das mudanças climáticas no cotidiano das juventudes locais, como por exemplo a necessidade de migração, desemprego, insegurança alimentar e recrutamento em grupos armados.

Medidas propostas pela ONU: Após debates realizados no Conselho de Segurança da ONU, foram delimitadas propostas de ação. A primeira é desenvolver a capacidade analítica mais forte com panoramas integrados de avaliação de riscos; a segunda, coletar bases mais fortes de evidências para que práticas positivas sobre prevenção e gerenciamento de riscos climáticos possam ser replicadas em campo. E, por fim, construir e reforçar parcerias para impulsionar capacidades existentes dentro e fora do Sistema ONU.

Com informações da página oficial da ONU e DW Brasil.

Imagem de capa via Freepik.

Compartilhar: