Menu

Mudanças ambientais ocorridas no Pantanal é tema de pesquisa apoiada pela Ecoa

Laboratório a céu aberto, o Pantanal Sul-mato-grossense é objeto de investigação que envolve pesquisadores do Brasil e EUA

Diretor presidente da Ecoa, André Siqueira (à esquerda), com os pesquisadores em Campo Grande/MS.
Publicado em 23 de setembro de 2015 às 23:31 Compartilhar:

Pesquisadores da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e da Universidade de Kentucky-UK (EUA) desenvolvem estudos sobre as mudanças ambientais e a evolução dos lagos da região oeste do Pantanal durante o período Quaternário.

A pesquisa faz parte do projeto “Dinâmica hidrossedimentológica e processos de avulsão do rio Taquari, Pantanal Mato-Grossense”, coordenada pelos professores, Aguinaldo Silva, do curso de Geografia da UFMS (CPAN), com financiamento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e do projeto How Does Environmental Change Influence Landscape Evolution in the Pantanal Wetlands of Brazil”, financiado pela Fundação Nacional de Ciência dos EUA, coordenado pelo Prof. Michael McGlue do curso de Ciência da Terra e Ambientais da UK.

Entre os dias 1 e 9 de setembro os pesquisadores coletaram amostras de sedimentos de fundo, levantamento batimétrico e geofísico da Lagoa Uberaba a fim de avaliar suas mudanças ambientais e a evolução da lagoa Uberaba. A coleta contou com a participação do aluno de doutorado Hudson Macedo (Unesp/Rio Claro), do aluno de mestrado Edward Lo (Universidade de Kentucky) e do piloteiro e guia Jocemir Antunes (Jaburu).

Movido pelo desaparecimento das áreas úmidas do litoral que tem ocorrido na Louisiana (EUA), Edward Lo, explica que “os sedimentos nos guiarão a um manejo em consideração das mudanças ambientais”.

O diretor presidente da Ecoa, André Siqueira, conta que a organização tem dado suporte logístico a pesquisa desde seu início em 2007.

De acordo com Siqueira entender a dinâmica do Pantanal é fundamental para balizar as decisões da Ecoa, “precisamos dessa bagagem científica para fundamentar nossos trabalhos e propor políticas”.

Em oito anos os pesquisadores já conseguiram organizar informações sobre as Lagoas Gaíva, Mandioré e Vermelha, que resultaram em publicações em periódicos especializados na área e mais recentemente em um capítulo de livro pela editora Springer.

No último dia 11 Siqueira esteve com os pesquisadores em Campo Grande que receberam a publicação produzida pela Ecoa “Plano de Prevenção, Mitigação e Adaptação aos Impactos de Eventos Climáticos Extremos no Pantanal”.

Os estudos contaram também com o apoio do 17° Batalhão de Fronteira a partir do Destacamento de Porto Índio, o que contribui para atingir os objetivos propostos.

Compartilhar: