Painéis solares de silício negro são nova aposta energética | Ecoa
Menu

Painéis solares de silício negro são nova aposta energética

A tecnologia apelidada de “célula solar buraco negro” garantem uma eficiência de cerca de 22% na conversão da luz solar em energia

Foto: Via Portal Energia
Publicado em 12 de fevereiro de 2019 às 17:32 Compartilhar:

Do azulado ao preto: Comumente são vistos painéis solares com tonalidades azuladas, mas a produção em série de painéis solares de silício negro veio mudar o cenário, não apenas no quesito de cores. A tecnologia desenvolvida por pesquisadores da Universidade de Aalto, na Finlândia, foi apelidada de “célula solar buraco negro”, devido à intensidade da cor preta.

A eficiência da cor preta: O tom preto dos painéis solares não se trata de uma escolha aleatória. Essa tonalidade deve-se ao fato de terem uma reflexão da luz que incidem sobre os painéis solares inferior a 1%, sendo que garantem uma eficiência de cerca de 22% na conversão da luz solar em energia. Supera assim os painéis solares com silício tradicional.

Produção: De acordo com a pesquisadora Hele Savin, da Universidade de Aalto, existe uma complexidade na produção desses painéis solares. A produção dos painéis se inicia a partir da criação de uma superfície opticamente perfeita, por meio de um processo de nanoagulhas no silício, que depois elimina a necessidade de colocar qualquer revestimento antirreflexo.

Custo-benefício: Apesar do alto custo de fabricação das nanoestruturas, o fato de existirem menos etapas no processo de fabricação dos painéis solares, bem como o excelente desempenho do produto final, permite um equilíbrio de custos. Desse modo, espera-se que os painéis solares de silício negro entrem no mercado a preços competitivos com os tradicionais painéis solares.

Para acessar a matéria na íntegra, acesse Portal Energia.

 

Compartilhar: