Menu

Perda de diversidade genética alerta para a necessidade de preservação do Chaco brasileiro

Projeto multidisciplinar agregou estudos sobre aspectos da flora, de genética de populações, de interações entre plantas e visitantes florais, e pesquisas em citogenética, etnobotânica e ecofisiologia

Chaco_foto_PauloRobsondeSouza2
Publicado em 1 de outubro de 2018 às 17:50 Compartilhar:

Via UFMS

Por Leticia Bueno

Projeto realizado pela UFMS constatou a perda de diversidade genética de algumas espécies nativas do Chaco brasileiro, fato que ressalta a necessidade de conhecimento e preservação desta eco-região. Os estudos foram realizados em Porto Murtinho, município com maior extensão de Chaco no país.

Intitulado “Angiospermas do Chaco Brasileiro: sistemática, diversidade, fenologia e adaptações”, o projeto multidisciplinar agregou estudos sobre aspectos da flora, de genética de populações, de interações entre plantas e visitantes florais, e pesquisas em citogenética, etnobotânica e ecofisiologia.

Centenas de espécies de plantas foram registradas em decorrência dos resultados dos trabalhos realizados, com novidades de ocorrência para o Brasil e para o Mato Grosso do Sul. “Além da riqueza de espécies botânicas, constatamos que existe a necessidade de se preservar as áreas de Chaco no Brasil, pois os estudos realizados indicam perdas de diversidade genética de determinadas espécies”, afirma a pesquisadora Ângela Sartori.

Chaco florido

Chaco florido

Para preservar o Chaco é preciso antes conhecê-lo. Ele está presente na Argentina, na Bolívia, no Paraguai e no Brasil – onde muitas vezes as áreas de Chaco são confundidas com o Pantanal. A escassa informação sobre a eco-região prejudica a análise e interpretação de dados coletados em pesquisas.

Ângela explica que a divulgação sobre o Chaco brasileiro tem sido realizada em artigos científicos, palestras e entrevistas sobre o tema, mas que apenas essas ações não são suficientes. “A sensibilização dos proprietários de fazendas deve ser estimulada para que sejam preservados os poucos remanescentes de Chaco no Brasil. Também seria ideal a criação de uma Unidade de Conservação federal ou estadual, para agregar remanescentes de formações chaquenhas”.

O projeto “Angiospermas do Chaco Brasileiro: sistemática, diversidade, fenologia e adaptações” foi uma parceria da UFMS com a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), com financiamento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Fotos por Paulo Robson de Souza

Compartilhar: