//

As abelhas enfrentam sua própria pandemia

9 minutos de leitura
Foto: F. Perry via Getty Images

Via Scientific American

A pandemia da COVID-19 esclarece como as cidades são sem dúvida a maior invenção da humanidade, porém, as metrópoles densamente povoadas também nos tornam vulneráveis ​​à rápida disseminação de doenças.

No entanto, os humanos não são as únicas espécies que enfrentam esse problema. As abelhas vivem vidas sociais há dezenas de milhões de anos, tornando-as alguns dos veteranos mais antigos na batalha contra o contágio. E com o tempo, a seleção natural lhes deu uma impressionante variedade de estratégias para mitigar a transmissão nas colônias.

Essas estratégias, por mais sofisticadas que sejam, não são suficientes para afastar todas as ameaças. As abelhas estão enfrentando sua própria pandemia global, pela qual estavam totalmente despreparadas. Um ácaro parasita, o Varroa destructor, originalmente infestava apenas colônias de abelhas asiáticas, Apis cerana, mas passou a infectar também as abelhas ocidentais, Apis mellifera, espécie que domina a polinização comercial moderna em todo o mundo.

O ácaro provavelmente surgiu no ocidente em algum momento da década de 1950, com os primeiros relatórios em 1957 no Japão e depois em 1963 em Hong Kong. Os seres humanos facilitaram a expansão do hospedeiro mantendo A. cerana e A. mellifera artificialmente próximas dos apiários e transportando colônias recém-infestadas dentro e entre os países. E o V. destructor tem cumprido seu nome. Hoje, se espalhou para todas as regiões onde as abelhas são mantidas, exceto a Austrália e algumas ilhas remotas, tornando-se rapidamente uma pandemia global e a maior ameaça patológica à saúde das abelhas.

Se não for tratada, uma colônia infectada pelos ácaros morre em aproximadamente dois anos. Esses e outros patógenos, além de pesticidas e má nutrição, forçam os apicultores a lutar para manter suas colônias vivas. Das 2,6 milhões de colônias de abelhas nos EUA, mais da metade está infestada de V. destructor.

E isso inclui apenas os que são testados e relatados; os números reais provavelmente são muito mais altos. Os apicultores ainda conseguiram aumentar lentamente o número de colônias que mantêm, em média, mas a um custo substancialmente mais alto. E esses aumentos estão sendo superados pelo aumento da demanda de polinização.

As abelhas ocidentais não co-evoluíram com V. destructor, e carecem dos traços comportamentais que as abelhas asiáticas possuem, como sepultar permanentemente a ninhada infestada por ácaros e, talvez a estratégia mais extrema, “apoptose social”, onde a ninhada sacrifica-se para impedir que o ácaro se reproduza.

Também existem características de combate ao ácaro em populações comerciais de abelhas, mas não são suficientes para conferir resistência adequada sem a criação seletiva intensa. Apicultores e cientistas estão fazendo o que podem para criar um estoque genético resistente ao Varroa, mas é um trabalho caro e dificultoso, o que não é viável para a maioria das empresas. Além disso, um punhado de produtoras de rainhas comerciais nos EUA cria e distribui milhões de rainhas, as fêmeas reprodutivas que depositam todos os ovos em uma colônia; e esses produtores não criam rigorosamente a resistência aos ácaros, de modo que as colônias dos apicultores normalmente também não são resistentes aos ácaros.

Como resultado, nos modernos apiários comerciais com colônias densamente compactadas, os apicultores precisam medicar suas colmeias com acaricidas para manter um negócio lucrativo. As colônias geralmente estão tão próximas que as abelhas entram na colmeia errada por acidente, tornando inevitável a propagação de parasitas e patógenos. O exemplo mais extremo disso é quando, em fevereiro, cerca de dois terços das colônias dos EUA (1,5 a 2 milhões) vão à Califórnia para polinização por amêndoa.

Nessas circunstâncias, uma colmeia fortemente infestada espalharia rapidamente seus ácaros para todas as colmeias vizinhas. Até o momento, aplicações rotineiras de acaricida são suficientes para atenuar esse problema. Mas, como no uso sustentado de qualquer biocida, os ácaros estão se tornando resistentes aos tratamentos dos apicultores.

E se isso não bastasse, outro gênero de ácaro parasitário, chamado Tropilaelaps, pode iniciar outra pandemia. Também migrou recentemente de outra espécie de abelha, a gigante asiática, para a ocidental. Identificado pela primeira vez em ratos próximos a colônias de abelhas nas Filipinas, ele agora se expandiu para regiões mais frias do continente asiático, onde o clima é muito semelhante ao dos EUA. Onde Varroa e Tropilaelaps coexistem em colônias, Tropilaelaps supera Varroa, causando danos e deformidades ainda maiores.

Por enquanto, os ácaros Tropilaelaps não se espalharam para outros continentes, mas sua dispersão global é provavelmente apenas uma questão de tempo. Não é incomum para colônias inteiras de abelhas pegar carona para o exterior, aninhando-se em carga ou nos navios, carregando patógenos e parasitas com eles. Outras pragas invasoras provavelmente também chegaram à América do Norte por esta rota: o vespão gigante asiático, Vespa mandarina, já foi avistado na Colúmbia Britânica e em Washington, com pelo menos um ninho estabelecido sendo identificado e erradicado. O Canadá importa dezenas de milhares de pacotes de abelhas (colônias iniciais) de países como Austrália, Nova Zelândia e Chile, por isso o Tropilaelaps pode entrar na América do Norte através de qualquer um desses países.

Uma economia globalizada e nossa destruição sistemática do mundo natural criam as condições perfeitas para que patógenos e parasitas estabeleçam novos hospedeiros e se espalhem rapidamente no exterior. Devemos nos preparar melhor para que as doenças emergentes não sejam um risco no mundo moderno. Eles são uma ameaça persistente à nossa própria saúde, à saúde de nossos animais e à vida selvagem. Como testemunhamos tragicamente com a COVID-19, doenças emergentes estão nos matando e também estão matando nossas abelhas.

Foto de capa de F. Perry via Getty Images

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Mais recente de Blog

Boletim Sabores: Cumbaru

Material faz parte do Programa “Valorização de Plantas Alimentícias do Cerrado e do Pantanal”, da UFMS

Formigas polinizadoras

A espécie Camponotus crassus é a principal responsável pela fecundação de um tipo de sempre-viva do