//

10 curiosidades sobre as abelhas

15 minutos de leitura
Populações de abelhas estão em perigo na Europa, na Ásia e nas Américas (Foto: AFP Photo / DPA/ Roland Weihrauch)

Tradução da matéria original de Crónicas de un Amonite

1- Origem Ancestral

Normalmente, como uma abelha, entendemos as abelhas melíferas (Apis mellifera), que pertencem ao gênero Apis sp. mas se olharmos para dentro do seu clado (Anthophila), podemos encontrar mais de 20.000 espécies, mesmo que todas as espécies ainda não sejam conhecidas.

Claro, todos eles têm um ancestral comum compartilhado com as formigas, e isso vem das vespas. Ou seja, tanto abelhas como formigas, evoluíram de um ancestral comum dentro do grupo de vespas (Crabronidae), que era carnívoro e predador de outros insetos.

2 – Abelhas solitárias

Indivíduo de Osmia cornuta, uma das espécies solitárias (Foto: Bjorn S. via Flickr)

Abelhas solitárias compõem 75% das espécies de abelhas e geralmente são muito menores em tamanho do que as abelhas coloniais. Além disso, as abelhas solitárias não produzem colmeias, por isso não produzem mel ou cera e, portanto, são muito difíceis de serem picadas (somente em casos de autodefesa, ou mesmo nesse caso).

As abelhas solitárias não fazem pentes, mas as fêmeas, que são todas capazes de se reproduzir, fazem ninhos para suas larvas. E embora sejam chamados de solitários, muitos são gregários, isto é, preferem estar cercados por outros indivíduos de sua espécie, e muitas vezes criam seus ninhos perto de outros. Mesmo em alguns casos, as fêmeas fazem seus ninhos juntos.

Normalmente, o ninho é composto de uma célula para o ovo e algumas provisões para a larva que sairá dele; em ninhos compartilhados, há uma única entrada de ninho, mas a fêmea constrói as provisões para sua larva independentemente. Acredita-se que o fato de compartilhar um ninho seja por razões de defesa, com várias fêmeas na mesma entrada, é mais fácil defender o ninho contra predadores e parasitas.

Depois de alguns dias, uma vez construído e preenchido com material de pólen e néctar para alimentar o ninho larvas, a mãe abelhas Tapian ninhos de modo que eles não podem entrar ou aros predadores e não têm nenhum cuidado parental.

Como curiosidade, para diferenciá-los das abelhas coloniais, os conjuntos de ninhos são chamados de agregações e, se ninhos são compartilhados, eles são chamados de agregações comunitárias.

3 – Vida de 800 km

Estima-se que as abelhas, as mais conhecidas, tenham uma vida de 800 km de voo. Isso significa que, no verão, as abelhas adultas (que são aquelas que vêm para coletar) morrem em cerca de 20 dias, pois viajam longas distâncias a cada dia.

E o que acontece quando o verão termina? Bem, no outono não há muito para colecionar, então eles viajam muito menos, e isso leva até 3 ou 4 meses para percorrer o limite de 800 km e viver cerca de 4 vezes mais.

4- Abelhas na guerra

As abelhas foram muito usadas durante a Segunda Guerra Mundial, e antes que você imagine abelhas treinadas para morder inimigos ou entrar em suas narinas, eu lhe direi que era para a cera deles.

A cera produzida pelas abelhas coloniais foi usada para revestir as armas e protegê-las durante o transporte para as zonas de guerra. Para este efeito, apenas 6 milhões de colmeias de abelhas foram mantidos nos Estados Unidos da América. Uma vez que a guerra terminou, como eles não precisavam de muita cera, os apiários foram deixados para cuidar e seu número foi reduzido para apenas 2,5 milhões de colmeias atuais.

No gráfico você pode ver os milhões de colmeias nos Estados Unidos de 1899 a 2011. Os dados mostram o pico crescente em torno de 1939, período inicial da Segunda Guerra Mundial.

5- Polinizadores poderosos

Em comparação com polinizadores silvestres, as abelhas são mais especialistas, e sua eficiência de polinização é menor, mesmo assim, as abelhas constituem 73% da polinização das lavouras.

Isso se deve em grande parte ao seu alcance de ação. No caso das abelhas coloniais, o raio médio de trabalho de uma abelha adulta é de cerca de 1,5 km em média. Tendo em conta que numa colmeia de tamanho médio vivem cerca de 60000 indivíduos, dos quais 2/3 saem para recolher o pólen diariamente, a superfície coberta por estas abelhas é brutal. De facto, estima-se que uma colmeia visite cerca de 35 milhões de flores por dia e que possa monopolizar a polinização de uma área de terra de cerca de 700 ha (cerca de 800 campos de futebol).

Além disso, as abelhas são “fiéis” à planta. Isto significa que, desde que a planta lhes forneça um bom néctar, pólen ou óleos, a abelha continuará a visitá-la. E se isso não bastasse, ela notificará seus colegas com sua dança para que também possam visitar a fábrica.

6- Waggle dance

Chegamos à famosa dança das abelhas. Essa forma de comunicação é muito complexa e ainda está sendo estudada, mas de uma forma simples podemos resumi-la como o mecanismo para informar seus colegas sobre onde encontrar uma boa fonte de alimento.

A dança pode ser feita dentro da colmeia ou fora dela, e dependendo dela, eles tomarão como referência a própria colmeia, ou o sol. Com a inclinação em que a abelha se move em relação à posição do sol (ou da colmeia se está dentro) indica a orientação da fonte de alimento e com a velocidade da dança, sua distância.

Por exemplo, uma dança dentro da colmeia, para uma fonte de comida no mesmo plano (180 °) que fica a 1 km de distância, seria totalmente vertical e muito lenta, a manobra duraria 1 segundo inteiro! Isso vai parecer pouco, mas tendo em conta que para cada 100 metros calcula-se que a dança aumenta em 75 milisegundos, ou seja, uma dança de um segundo inteiro pode se tornar eterna.

7- Indústria polinizadora

As grandes culturas de amêndoas dependem inteiramente da polinização das abelhas.

Com o aumento das plantações em grande escala e a redução de 75% dos insetos nos últimos 30 anos, colheitas cada vez maiores usam colmeias para assegurar uma boa polinização das plantas. Tudo isso gerou uma inclinação do comércio de colmeias, que, aproveitando o crescente número de plantações e menos abelhas, está se tornando um lobby.

Por exemplo, na Califórnia, o maior produtor de amêndoas do mundo, eles pagam até US $ 192,27 por mês pelo uso de uma colmeia em suas colheitas, enquanto em 2004 pagaram apenas US $ 52 pelo mesmo serviço. Além disso, as abelhas são transportadas até mesmo da Austrália, o que é ruim para as abelhas não apenas para o monoalivo à base de pólen de amêndoas durante todo o tempo que está na colheita, mas também para o grande deslocamento.

8- Comida para as abelhas

Sim, você leu corretamente, há alimento para as abelhas. Na verdade, existem mais de 30 tipos de alimentação para as abelhas. E, como dissemos antes, as abelhas comerciais podem estar polinizando por meses na mesma plantação, e a mono-comida é muito ruim para sua saúde. Portanto, para preparar as abelhas antes ou depois de trabalharem como polinizadores, eles recebem comida.

9- Problemas na produção de mel

Neste ponto, vou me concentrar na Espanha. Em 1978 o Ministério da Espanha aceitou as abelhas como gado (antes eram consideradas um passatempo) e graças a este acesso aos créditos pela apicultura é muito mais fácil.

Devido à legislação e à crescente demanda por abelhas (tanto para a polinização quanto para a produção de mel), de 1,5 a 2,8 milhões de colmeias foram aprovadas nos últimos anos, mas a produção de mel diminuiu. Cerca de 32 a apenas 20 mil toneladas de mel por ano, o que equivale a uma redução de 20 a 12 kg por colmeia.

Gráfico sobre a produção anual em milhares de toneladas segundo a Statista.

10- Ameaças

Para terminar, vamos para as ameaças que mantêm a população de abelhas diminuindo:

Mudança climática: como tudo o mais, a mudança climática também afeta as abelhas. Toda vez que chove menos e mais irregularmente e isso afeta o florescimento das plantas. Na Península Ibérica, as chuvas de agosto foram reduzidas e deslocadas para chuvas torrenciais em setembro. Quando toda a água cai de repente, a floração outonal foi reduzida, e isso causa duas coisas: que as abelhas estão mal-nutridas; e que as colmeias não têm tempo para rejuvenescer. Devido à má nutrição, eles não podem reproduzir como deveriam, o período de reprodução é encurtado e eles não têm tempo para produzir as abelhas de 3 ou 4 meses de vida de outono, eles terminam a estação com as abelhas de 20 dias de vida de verão.

Novas doenças: o varroa, um ácaro parasita originário de Java, espalhou-se pelo mundo e causou estragos nas colmeias de abelhas. No caso das abelhas solitárias, elas são imunes à varroa, é por isso que começam a cultivar para a polinização, mas têm seus próprios ácaros parasitários e outras doenças.

Pesticidas e pesticidas: Resíduos de pesticidas e pesticidas absorvida pela planta e atingir o pólen e néctar que as abelhas alimentar a desintoxicar e pode terminar prematuramente suas vidas.

Monoculturas: como já mencionamos, uma variedade de pólen e néctar de diferentes plantas é importante na dieta das abelhas para sua saúde. Atualmente, o desejo de cultivar cada vez mais produtos com alto desempenho econômico, como o abacate, levou à criação de expansões de monocultura, onde o único pólen e néctar disponíveis são os da planta em operação. .

Vespa asiática (Vespa velutina): as abelhas coloniais da Europa e da Ásia, têm outra ameaça extra, a vespa asiática. Esta vespa do sudeste da Ásia é um predador muito agressivo e inclui abelhas em sua dieta. Em 2004, chegou à Europa através de um cargueiro asiático que atracou na França. Desde então, encontrando um clima favorável e poucos predadores, espalhou-se por grande parte da Europa e está causando grandes danos às colmeias de abelhas, que não possuem mecanismos de defesa contra tal predador. Os apicultores estão desenvolvendo mecanismos para proteger suas colmeias e estratégias de manejo e o controle das espécies está sendo gerenciado pelas autoridades.

Fotos via Crónicas de un Amonite.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Mais recente de Blog