El Niño agindo de forma estranha. O que pode acontecer na América do Sul e no Brasil nos próximos meses?

6 minutos de leitura

A pergunta não tem resposta neste texto e provavelmente será respondida pelos climatologistas nos próximos dias, mas é fundamental total atenção para alertas rumo às medidas preventivas dada a configuração do El Nino apontada pelo serviço meteorológico dos EUA.

O texto a seguir foi extraído, de forma resumida e com tradução livre e adaptada,  de duas publicações: Live Science e Washington Post.

O estranho El Niño

O El Niño está em pleno andamento e provavelmente permanecerá “forte”, mas o seu efeito sobre os padrões climáticos depende do comportamento de uma bolha invulgarmente quente no Pacífico ocidental, dizem especialistas. 

O El Niño avança “forte”, indica o último comunicado do Serviço Meteorológico dos Estados Unidos. A previsão é que o fenômeno permaneça pelo menos com esta intensidade durante os meses seguintes. Existe até uma probabilidade de até 35% de que se torne o mais forte da história. 

O padrão climático do El Niño, que começa com um aquecimento das águas no Pacífico tropical oriental, é um impulsionador em grande escala das condições atmosféricas que altera os principais sistemas climáticos em todo o mundo. Mas há um problema importante neste momento: a atmosfera ainda não respondeu ao El Niño crescente da forma como normalmente o faz.

 

Os meteorologistas muitas vezes confiam no El Niño para fornecer informações sobre tendências gerais que podem afetar o clima em várias partes do mundo. 

Por que este El Niño é diferente dos outros?

Ao avaliar a força de um El Niño, os meteorologistas referem-se às diferenças de temperatura da superfície do mar em relação ao normal, em uma caixa imaginária que abrange grande parte do Pacífico equatorial oriental. Esta “região Niño-3,4” está cerca de 2,7 graus (1,5 Celsius) acima da média, que é o limiar para o que o Serviço Meteorológico dos Estados Unidos considere extraoficialmente um forte El Niño .

Mas a atmosfera agora não se comporta como historicamente ocorreu durante outros El Niños fortes. Aqui está o porquê:

  • Há uma onda incomum de calor no oeste do Pacífico. 
  • Paul Roundy , professor de ciências atmosféricas na Universidade de Albany, argumenta que isso está silenciando alguns dos sintomas mais clássicos do El Niño. “O centro-oeste do Pacífico, próximo e a oeste da Linha de Dados [Internacional], permaneceu mais quente”, disse ele por e-mail. “[Isso] incentiva a queda de mais chuvas tropicais ali, o que, por sua vez, reduz a intensidade das chuvas mais a leste, porque o ar que sobe nas tempestades do oeste do Pacífico desce de volta para a superfície mais a leste, secando a atmosfera.” 
  • Ele explicou ainda que o mesmo mecanismo cria uma “onda” que reduz as chuvas no Pacífico oriental.
  • Todd Crawford, meteorologista consultor da Atmospheric G2, repetiu Roundy, dizendo que os especialistas estão “monitorando” um padrão climático chamado Oscilação Madden-Julian “para ver se um sinal de movimento ascendente forte mais clássico se estabelece bem a leste da Linha de Dados”.
  • “O MJO é uma circulação invertida que se espalha pelo Pacífico, favorecendo o movimento ascendente com tempestades de um lado e o ar descendente e seco do outro lado. Crawford explicou que “cada ‘pulso’ MJO sucessivo” estimulou a subida do ar perto da Dateline.
  • Não há muita subida de ar no leste do Pacífico. 
  • Normalmente, durante o El Niño, as águas mais quentes no leste do Pacífico aquecem o ar acima, induzindo um movimento ascendente. Isso cria uma área de baixa pressão atmosférica, aguaceiros e trovoadas. 
  • O ar, por sua vez, diminui sobre o Atlântico. Mas, atualmente, a área de ascensão sobre o Pacífico oriental é escassa e difusa. É provável que a bolha quente do Pacífico ocidental, que está deslocada, esteja a causando aquecimento e movimento ascendente e , como tudo o que sobe tem de descer, parte do ar está afundando no Pacífico oriental.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Mais recente de Blog

Pantanal

O Pantanal é reconhecidamente uma parte do Planeta com características especiais e particulares, características essas que