///

Castanha de baru: Extrativistas no centro da roda

7 minutos de leitura
Processamento do baru por famílias articuladas em projeto executado pela Ecoa junto com Ceppec

Castanha de baru, típica do Cerrado, ganha cada vez mais destaque nacional e internacional;

  • Ainda existem dificuldades na conexão entre produção e consumo , o que exige melhorias na infraestrutura e profissionalização dos processos da cadeia do baru;
  • O Centro de Produção, Pesquisa e Capacitação do Cerrado (Ceppec) é referência no impulsionamento do trabalho com o baru; 
  • A Ecoa desenvolveu, em parceria com o Ceppec e com apoio da Fundação Banco do Brasil, projeto para melhorar infraestrutura da coleta de castanha do baru
  • No projeto, foram envolvidos 224 coletores/as de baru, de 14 comunidades em sete municípios do Cerrado. A partir da iniciativa, foi gerada receita de R$97 mil.
  • Também foram adquiridos equipamentos, veículos e contêineres para aprimorar trabalho dos extrativistas articulados no projeto. 

Via Estadão

Entre os “novos” produtos da bioeconomia brasileira, aqueles que tiveram a cadeia desenvolvida mais recentemente, o açaí é o caso de maior sucesso. Facilmente encontrado nos supermercados e lojas especializadas em todo o Brasil, o fruto virou hábito alimentar de muita gente aqui e no exterior – especialmente depois que a apresentadora Oprah Winfrey se tornou uma entusiasta das propriedades nutritivas do fruto e do papel que sua exploração econômica poderia ter para proteger as florestas brasileiras.

Outras estrelas em potencial da bioeconomia tentam repetir essa trajetória de sucesso. Uma das candidatas é a castanha do baru, árvore típica do Cerrado brasileiro. Rico em vitaminas e ferro, além de ser um bom aliado no controle do colesterol, o produto tem sido descoberto por fãs de outras partes do País e do exterior, especialmente da Europa.

Leia também: Potencial da castanha de baru para geração de renda

castanha de baru
Pé de baru (Foto: Raquel Alves/Arquivo Ecoa)

Há várias dificuldades nas etapas necessárias para possibilitar a conexão entre a produção e o consumo. Superar esses desafios depende de projetos que fomentem a profissionalização dos processos e a melhoria das condições gerais de infraestrutura. No caso da castanha do baru, uma referência é o trabalho do Centro de Produção, Pesquisa e Capacitação do Cerrado (Ceppec), que tem agregado outras instituições e iniciativas para impulsionar o desenvolvimento da cadeia.

Foi a partir de uma oficina ministrada por dois diretores do Ceppec na Organização Não Governamental (ONG) Ecoa, sediada em Campo Grande (MS), que surgiu um projeto para melhorar a infraestrutura da coleta das castanhas do baru. A Ecoa obteve o apoio da Fundação Banco do Brasil para o projeto, que durou um ano e meio e foi concluído no mês passado. Envolveu 224 coletores de baru – 60% mulheres –, em um corredor extrativista de 14 comunidades localizadas em sete municípios. A receita gerada, R$ 97,2 mil, representou um aumento médio de 20% na renda das famílias envolvidas.

Leia também: Resultados do projeto que articulou 150 famílias coletoras de baru

castanha de baru
Foto: Arquivo Ecoa
“Hoje podemos dizer que temos em mãos um mecanismo consolidado, dando respaldo à comercialização, impulso e visibilidade ao trabalho comercial, ambiental e social na vida de cada uma das famílias envolvidas no projeto.”

“Conseguimos fazer tudo isso com uma verba de R$ 350 mil”, celebra a socióloga Nathália Eberhardt, pesquisadora da Ecoa e coordenadora do projeto. “Com a estruturação que foi feita, há um grande potencial de crescimento, tanto em termos de território quanto de famílias envolvidas.”

castanha de baru
Nathália com a castanha de baru. Foto: Iasmim Amiden

Altair de Souza, um dos diretores do Ceppec que ministraram a oficina que deu origem ao projeto – e que atua como extrativista –, também comemora os resultados. “Hoje podemos dizer que temos em mãos um mecanismo consolidado, dando respaldo à comercialização, impulso e visibilidade ao trabalho comercial, ambiental e social na vida de cada uma das famílias envolvidas no projeto.”

Leia também: Castanha de Baru em foco – boletins reúne informações sobre fruto do Cerrado

Os extrativistas atuam como guardiões do Cerrado, já que conhecem bem os locais onde há baru e denunciam eventuais avanços do agronegócio sobre as áreas públicas. Além disso, a coleta organizada pelo projeto segue orientações em prol da sustentabilidade, como recolher apenas 70% dos frutos caídos, deixando os restantes 30% para a alimentação da fauna e para germinação. Esse trabalho é realizado especialmente em barus nativos, encontrados em áreas públicas ou em fazendas da pecuária, nas quais a espécie costuma ser mantida para que possa servir de alimentação ao gado. Acordos com os proprietários permitem essa exploração.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Mais recente de Blog

Pantanal

O Pantanal é reconhecidamente uma parte do Planeta com características especiais e particulares, características essas que