//

Beija-flores: cinco curiosidades sobre essa ave impressionante

6 minutos de leitura

Via G1

Beija-flores são aves que pertencem à família Trochilidae, exclusivas das Américas. Como o próprio nome popular diz, possuem uma relação forte com as flores. Nelas buscam o alimento e se tornam paralelamente agentes fundamentais da polinização. No mundo existem mais de 360 espécies dessa ave. Só no Brasil são encontradas 83 delas. Eles chamam atenção pela beleza e pela forma que voam: são ágeis e realizam movimentos que nenhuma outra ave é capaz de executar, como voos para trás, além de “pairarem” no ar. Mas além disso, esses seres belíssimos possuem muitas outras características particulares. Confira abaixo:

beija flores se alimentam de nectar e pequenos insetos
Dieta dos beija-flores consiste em néctar e pequenos insetos — Foto: Rudimar Narciso Cipriani

1) O açúcar não faz mal a eles

A dieta alimentar dos beija-flores consiste apenas em pequenos insetos e néctar. Essas aves podem chegar a visitar mais de 200 flores para se alimentar em um único dia. O resultado disso é um alto consumo de açúcar. Mas será então que os beija-flores podem ter problemas de saúde por consumir tanto açúcar? A resposta é não. Essas aves tem características adaptativas e grande parcela da glicose consumida é filtrada na urina. O néctar é o combustível que os beija-flores precisam para acumular gordura corporal antes de realizarem grandes migrações, por exemplo.

batimento coração beija flor
Batimentos cardíacos dos beija-flores podem chegar até 1.260 por minuto — Foto: Ananda Porto/TG

2) Coração grande e acelerado

Os beija-flores são considerados máquinas de voar. Uma curiosidade é que os motores, ou melhor, o coração dos colibris são gigantes se comparados relativamente com o tamanho do corpo de qualquer outra espécie. O coração de um beija-flor pesa o equivalente de 1,9 a 2,5% do peso do corpo que geralmente varia de 2,4 g a 5g. O nosso coração por exemplo equivale apenas a 0,5% do peso total do nosso corpo. Pesquisas apontam que o coração dessas aves movimentam sangue 100 vezes mais depressa do que o do homem. Já foram registradas frequências cardíacas de até 1260 batimentos por minuto. E nem em repouso o bichinho sossega. Existem dados que mostram que a frequência respiratória chega a 260 inspirações por minuto, mesmo quando ele está parado.

Para economizar energia beija-flores entram em torpor nos dias mais frios — Foto: Ananda Porto/TG

3) Fase torpor

Como qualquer máquina, os beija-flores também precisam descansar, ou melhor economizar energia, afinal eles consomem muito dela. Mas eles também gastam as calorias em vaivéns frenéticos. O metabolismo rápido impressiona e não é a toa, são considerados um dos seres que apresentam as taxas metabólicas mais altas se comparada ao tamanho do corpo de qualquer outro animal da Terra. Para poupar combustível, em dias frios e ao anoitecer, as aves economizam energia entrando na fase de torpor. Nessa fase o ritmo do batimento cardíaco diminui e eles aparentam até estarem “mortos”.

beija flor em vôo asas
Fêmeas não são tão coloridas mas são as responsáveis por criar o ninho e cuidar da prole — Foto: Ananda Porto/TG

4) Fêmeas em ação

Em muitas espécies é possível notar um dimorfismo sexual grande. Geralmente os machos se destacam mais do que as fêmeas com um colorido impressionante. Mas a função deles se limita a apenas isso: encantar e conquistar a parceira. Pouca gente sabe, mas são exclusivamente as fêmeas quem constroem os ninhos e cuidam dos filhotes.

estrelinha ametista
O estrelinha-ametista é considerado um dos menores beija-flores da fauna brasileira. — Foto: Ananda Porto/TG

5) Leveza e miudez

Os beija-flores são aves pequenas e a família reúne algumas das menores aves do mundo. Apresentam um tamanho variado, que vai de 6 a 15 centímetros, e pesam poucas gramas. Espécies como o topetinho-vermelho, considerado o menor do Brasil, é mais leve do que uma moeda de um centavo, por exemplo. Apesar da delicadeza as aves impressionam com a potência. Algumas espécies, como o estrelinha-ametista, podem bater as asas 80 vezes em um segundo.

 

O beija-flor-dourado, conhecido como o “senhor dos capões” do Pantanal é um dos polinizadores símbolo do programa de proteção a estes animais chamada Oásis, desenvolvido pela Ecoa.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Mais recente de Blog

Boletim Sabores: Cumbaru

Material faz parte do Programa “Valorização de Plantas Alimentícias do Cerrado e do Pantanal”, da UFMS

Formigas polinizadoras

A espécie Camponotus crassus é a principal responsável pela fecundação de um tipo de sempre-viva do