//

ECOA: 30 Publicações

17 minutos de leitura
1

A ECOA completa 30 anos de atuação. Para celebrar sua existência ao longo deste tempo, resgatamos 30 publicações feitas pela ECOA, que ajudam a lembrar e conhecer um pouco de sua trajetória, suas agendas de trabalho e o impacto de suas ações para o ambiente e a sociedade. Confira as 30 publicações:

1 – Programa Oásis na edição 148ª da Revista “Mensagem Doce” da Associação Paulista de Apicultores: A tradução do resumo expandido de um estudo da Université de Neuchâtel, Suíça, sobre a contaminação de mel no mundo. Feita por Alcides Faria e Iasmim Amiden, da Ecoa, o material foi publicado na edição 148ª da Revista “Mensagem Doce” da Associação Paulista de Apicultores (APACAME). De acordo com a pesquisa, 3/4 do mel do mundo estão contaminados com os chamados pesticidas neonicotinóides.

2 – Biocombustíveis – A cana-de-açúcar na bacia hidrográfica do rio Paraná: As repercussões econômicas, sociais, ambientais e políticas da expansão do plantio de cana-de-açúcar e da instalação de unidades industriais para produção de álcool, açúcar e energia elétrica, impulsionaram a publicação deste estudo. Desenvolvida pela Ecoa em 2008, a publicação já foi citada em diversos trabalhos acadêmicos.

3 – Caderno do professor: O material é fruto do projeto “Escolas das Águas – Educomunicação e diálogo intercultural, uma maneira de aprender e ensinar”, que levou formação e capacitação direta a 25 professores, 300 alunos, 20 pais e mães e 10 unidades escolares.

4 – Bocaiuva – técnicas e dicas de aproveitamento: A bocaiuva é a principal fonte de renda de, pelo menos, 40 famílias que vivem na comunidade pantaneira Antônio Maria Coelho. E são as mulheres que extraem a polpa da bocaiuva e produzem farinha e outros produtos derivados.

5 – Involving Communities: A Ecoa, em parceria com AEDES, FANCA e Telapak, lançou em 2011, um guia sobre como envolver as comunidades na gestão integrada de recursos hídricos. O livro aponta para sugestões práticas sobre como negociar e como a abordagem pode ser implementada na chamada negociação estratégica e gestão dos recursos.

6 – Caderno do aluno: O projeto “Crianças das Águas – Pantanal: identidade e cidadania” buscou, por meio do material “Pantanal: mundo das águas”, levar até as escolas do Pantanal, materiais contextualizados sobre a região. Uma forma de aguçar a atenção de estudantes para este lugar tão especial em que vivem, e promover sua conservação.

7 – Impacto dos investimentos do BNDES na dinâmica regional dos países da bacia do Prata: Publicado em 2013, o estudo realizado pela Ecoa aborda a relação entre os investimentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) com a expansão da cana-de-açúcar na bacia do rio Ivinhema e das hidrelétricas na bacia do rio Paraguai, no Brasil.

8 – Hidrelétricas no rio Madeira – Maior afluente do rio Amazonas sob ameaça: Em 2007, a Ecoa, junto com a organização Amigos da Terra publicou o material “Hydroelectric dams on the Madeira river” que aponta os impactos ambientais e sociais que a construção de represas no maior afluente do rio Amazonas acarretaria.

9 – Mudanças climáticas – uma descoberta no Pantanal: Uma cartilha sobre mudanças climáticas feita pela Ecoa em 2013. O personagem, menino Zezinho, introduz, de forma dinâmica, o tema e sua relação com o Pantanal. Eventos climáticos extremos na planície pantaneira e medidas de mitigação e adaptação de seus impactos sobre populações vulneráveis estão entre as principais aborgadens da agenda Clima Pantanal, com a qual trabalha a Ecoa.

10 – Hidrovia Paraná-Paraguai – o megaprojeto rearticulado: O documento de 2014 é resultado de um esforço contínuo da Ecoa no monitoramento e atuação contra as tentativas de implantação da Hidrovia Paraná-Paraguai (HPP) – que acarretam em danos ambientais, sociais e econômicos para o Pantanal.

11 – Coleção “Cenários Pantaneiros”: Junto a outras organizações que compõem a Rede Pantanal e o coletivo Movimentos Sociais, a Ecoa publicou a coleção “Cenários Pantaneiros”, em 2011. São três volumes distintos que tratam de recursos hídricos da região hidrográfica do rio Paraguai, hidrelétricas na Bacia do Alto Paraguai (BAP) e os impactos das indústrias de mineração e siderúrgica no Pantanal boliviano.

12 – Capítulo no Almanaque Brasil Socioambiental 2008: A publicação do Instituto Socioambiental (ISA) do ano de 2008, teve um capítulo dedicado ao Pantanal (p. 177-194) escrito por Alcides Faria e Rafaela Nicola que, na época, eram membros da diretoria da Ecoa.

13 – PPPs – Salvação ou bombas-relógio?”: O relatório faz uma análise acurada dos graves problemas que acompanham a implantação das parcerias público privadas (PPPs) no Brasil e no mundo.

14 – Plano de Prevenção, Mitigação e Adaptação aos impactos de Eventos Climáticos Extremos: O documento é um dos produtos do projeto “Mapeamento de eventos climáticos extremos no Pantanal”, executado pela Ecoa. A publicação analisa os efeitos desses eventos extremos sobre populações vulneráveis e propõe ações adaptativas e mitigatórias.

15 – Iscas Vivas – Transformando as comunidades do Pantanal: A publicação foi inspirada no projeto de mesmo nome, vencedor do Prêmio Valores do Brasil, de 2008.

16 – Análise sobre o Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA) da Hidrovia Paraná-Paraguai: O documento trata do novo projeto para viabilização da Hidrovia no Pantanal. Levanta questionamentos sobre seus reais objetivos e aponta suas inconsistências, baseadas em uma análise, principalmente, dos volumes do Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA), realizado pela Universidade Federal do Paraná (UFPR).

17 – Boas práticas para o manejo das Tuviras do Pantanal – aspectos bioecológicos, coleta, armazenamento e comercialização: Com o apoio do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA‐Corumbá), da Embrapa Pantanal, da Embrapa Agropecuária Oeste e da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) foi realizada uma busca de informação junto aos isqueiros e isqueiras do Pantanal, tais como: levantamentos socioeconômicos percepção ambiental dos/as pescadores/as e aplicação do Sistema de Controle de Iscas ‐ SCIscas (na região da Estrada Parque Pantanal). A publicação reúne vários dados que foram coletados nestas pesquisas.

18 – Mapa das represas na Bacia do Alto Paraguai (BAP) – um território sob pressão: A Ecoa desenvolveu o mapa na intenção de continuar com o avanço nas pesquisas sobre os efeitos ambientais, econômicos e sociais do setor hidroenergético na BAP. Em 2016, a organização já havia lançado um mapa com dados sobre as represas e, em 2018, além de atualizá-los, dispôs de mais informações e em uma plataforma mais dinâmica e interativa.

19 – Araguaia – Do tranquilo balanço das águas à turbulência anunciada: lutar é preciso: Publicação de 2002, da Coalizão Rios Vivos e Ecoa, que faz uma reflexão apoiado em referências teórico-científicas e na literatura, poética, sobre a bacia do Araguai e os conflitos econômicos e sociais, exaltados nas tentativas de retomada das obras da Hidrovia Araguaia-Tocantins.

20 – Coleta de iscas vivas no Pantanal – Bases para a sustentabilidade: A publicação é parte de um projeto que compreende levantamentos de dados primários e secundários, a experimentação de técnicas e instrumentos de captura de iscas, bem como ações de caráter organizativo da categoria. Os trabalhos de campo foram realizados nas comunidades dos/as isqueiros/as, municípios de Corumbá, Miranda e Porto Murtinho, em Mato Grosso do Sul.

21 – Projeto ‘Implementação de Prática de Gerenciamento Integrado de Bacia Hidrográfica para o Pantanal e Bacia do Alto Paraguai’: Este relatório contém os resultados das ações empreendidas junto aos pescadores de iscas vivas do Pantanal em Mato Grosso do Sul, entre os anos de 2000 e 2003. São apresentados dados relativos à sócio-economia dos municípios do sul pantaneiro; o mapeamento e diagnóstico das condições de vida dos pescadores de iscas da região; um diagnóstico das técnicas e instrumentos de trabalho próprios daquela atividade e propostas para a implementação de práticas de captura de iscas cada vez mais condizentes com o ideal de sustentabilidade da vida e do ambiente pantaneiros.

22 – Diagnóstico da atividade de captura de iscas no Pantanal e propostas para a melhoria de manutenção em cativeiro: Este diagnóstico é parte do projeto que teve como objetivo principal colher e produzir informações referentes aos aspectos sócio-econômicos e ambientais da atividade de captura de iscas, visando subsidiar os gestores de recursos pesqueiros, no Pantanal de Mato Grosso do Sul, bem como subsidiar a implementação do manejo sustentável dessa atividade pelos/as isqueiros/as dessas localidades.

23 – Como denunciar os impactos dos agrotóxicos à saúde, ao meio ambiente e nas atividades produtivas: A cartilha é uma publicação recente da Ecoa junto a Comissão Estadual de Combate aos Impactos de Agrotóxicos (MS), na qual integra a organização, com o objetivo de informar e, também, sensibilizar a população sobre a importância de denunciar, de forma adequada, os impactos causados pelos agrotóxicos à saúde, ao meio ambiente e nas atividades produtivas.

24 – Ciência Cidadã: uma ferramenta a favor da sustentabilidade: A publicação tem como objetivo incentivar os pequenos produtores a buscarem melhorias ambientais que, aliadas ao potencial produtivo do ecossistema, podem resultar em novas fontes de renda. Outra finalidade é apresentar a potencialidade da ferramenta Ciência Cidadã para tomadores de decisão, ONGs e universidades.

25 – Macro effects in Brazil: Este estudo analisa os efeitos macro-econômicos na produção de biocombustíveis no Brasil – incluindo aqueles já existentes e aqueles identificados após estudos de casos específicos – bem como o papel desempenhado pelas organizações da sociedade civil no monitoramento ou mitigação dos mesmos.

26 – Política Socioambiental do BNDES – Presente e futuro: O livro aborda a relação entre os impactos socioambientais e violações de direitos humanos com os financiamentos do banco, e a necessidade de um mapeamento das conexões entre fenômenos mais amplos que concorrem para que o financiamento do banco seja canalizado para projetos geradores de grande passivo socioambiental e insustentáveis.

27 – Bacia do rio Ivinhema: Um território tradicional Guarani: Esta publicação foi realizada em 2012, durante um estudo direcionado a entender, de forma mais abrangente, o movimento de expansão da cana na bacia do rio Ivinhema e suas consequências. A região estudada coincide basicamente com territórios tradicionais do povo guarani.

28 – Reaprendendo com os ciclos hidrológicos do Pantanal: Cartilha facilita o entendimento de informações sobre os ciclos hidrológicos do Pantanal, clima, alterações antrópicas que contribuem para a degradação ambiental e, consequentemente, para as mudanças climáticas.

29 – Boas práticas em Comunidades ribeirinhas sobre a cadeia produtiva do mel: A publicação traz como a apicultura representa uma ótima e interessante oportunidade de negócio sustentável, com grande potencial econômico a ser desenvolvido em comunidades ribeirinhas na região do Pantanal de Corumbá, MS.

30 – Boas práticas em Comunidades ribeirinhas sobre a qualidade e tratamento da água: O objetivo central deste material é levar informações às comunidades pantaneiras sobre os riscos do consumo de água contaminada, e apresentar métodos baratos e práticos de tornar a água potável.

1 Comment

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Mais recente de Blog

Boletim Sabores: Cumbaru

Material faz parte do Programa “Valorização de Plantas Alimentícias do Cerrado e do Pantanal”, da UFMS

Formigas polinizadoras

A espécie Camponotus crassus é a principal responsável pela fecundação de um tipo de sempre-viva do