/

Instabilidade climática no campo deixa seguradoras no vermelho

2 minutos de leitura
Foto: REUTERS/Diego Vara

Via ClimaInfo

O vai-e-vem imprevisível do clima nas lavouras brasileiras está cobrando seu custo para as seguradoras. Números destacados pelo Valor apontam que a sinistralidade do Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural passou de 84% em 2020 para 125% em 2021, o maior índice desde 2015. Os desembolsos com sinistros somaram R$ 5,4 bilhões, acima dos R$ 4,2 bi que entraram no caixa das seguradoras, deixando-os no vermelho.

No ano passado, 121,2 mil produtores rurais buscaram o seguro rural, um aumento de 15% em relação ao ano anterior, sendo que mais de ¼ desse total foi atendido pelo programa pela primeira vez. O governo gastou quase R$ 1,2 bilhão em subsídios para mais de 60 culturas e atividades, com destaque para a soja, o milho de segunda safra e o trigo.

Por falar em seguros, Antônio Penteado Mendonça escreveu no Estadão sobre os desafios que as empresas do setor já encaram por conta da intensificação da crise climática e da multiplicação de eventos desastrosos associados ao clima.

Nos países ricos, onde a prática do seguro é mais corrente, essa questão ganhou força depois da pandemia e dos repetidos episódios de tempestades, inundações, incêndios florestais e seca na Europa e nos Estados Unidos. No entanto, nos países em desenvolvimento, onde a indústria dos seguros é menos demandada, o debate ainda está incipiente, o que nos leva a um paradoxo: a despeito de serem mais pobres e mais vulneráveis à crise climática, a maioria esmagadora da população desses países arca sozinha com os custos dos desastres climáticos que ocorrem em suas comunidades.

Alíria Aristides

Jornalista no núcleo de comunicação da Ecoa

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Mais recente de Blog