/

Incêndios florestais atingem 17 milhões de hectares de floresta amazônica por ano

12 minutos de leitura
incêndios no pantanal - 2019 - foto via prevfogo ibama ms
Créditos: Prevfogo Ibama
  • Nos últimos 20 anos, os incêndios florestais na Amazônia atingiram 120 milhões de hectares, segundo análises de satélite feitas pela Rede de Informações Socioambientais Georreferenciadas da Amazônia (RAISG).
  • Os analistas da RAISG desenharam uma nova plataforma para monitorar, em tempo real, os incêndios florestais e outras pressões que ocorrem no bioma Amazônia.
  • Outra ameaça à Amazônia é o desmatamento. Entre os anos 2000 e 2020, 54 milhões de hectares de floresta foram perdidos, uma área do tamanho da Espanha.
  • Segundo dados da nova plataforma, até 2025, mais 23 milhões de hectares de florestas amazônicas correm o risco de serem perdidos, uma área semelhante ao tamanho do Equador.

Por Yvette Sierra Praeli, Mongabay

Os incêndios florestais na Amazônia se intensificam a cada ano. Imagens de florestas em chamas no Brasil, na Bolívia e em outros países amazônicos tornam-se mais frequentes a cada ano. Entre 2001 e 2020, pelo menos 120 milhões de hectares de florestas amazônicas foram afetados pelo fogo, número que corresponde à soma do que é queimado a cada ano, segundo análises de satélite feitas pela Rede Amazônica de Informações Socioambientais Georreferenciadas (RAISG ). Em termos percentuais, estima-se que 14% do bioma Amazônia já foi danificado por incêndios.

Dados da RAISG também indicam que, a cada ano, 17 milhões de hectares de florestas na Amazônia, em média, são danificados por incêndios. Em 2020, em meio à pandemia do COVID-19, esse número subiu para 27 milhões de hectares.

“Os incêndios, todos os anos, colocam a Amazônia em profunda crise”, diz Marlene Quintanilla, diretora de pesquisa da Fundação Amigos da Natureza.

Para monitorar, em tempo real, os incêndios florestais e outras pressões que ocorrem na Amazônia, a RAISG desenvolveu uma nova plataforma, que batizou de AMA.

Esta plataforma também permite ver como o desmatamento está avançando nos nove países da Amazônia. Segundo a avaliação feita entre 2000 e 2020, 54 milhões de hectares de floresta amazônicas foram perdidos nesses 20 anos, uma área equivalente ao tamanho da Espanha.

Os analistas da RAISG também usaram a plataforma AMA para fazer uma projeção de “risco futuro”, ou seja, onde e até que ponto o desmatamento na Amazônia poderá avançar entre 2021 e 2025. Segundo esses cálculos, 23 milhões de hectares de florestas serão perdidos a mais, uma extensão semelhante ao tamanho do Equador. Portanto, de 2000 a 2025, a Amazônia perderia pelo menos 77 milhões de hectares de floresta.

Leia também: Marina Silva lança plano contra incêndios no Pantanal

Foto: Victor Moriyama / Greenpeace

Panorama dos incêndios florestais

O problema dos incêndios florestais não é muito visível em toda a Amazônia, diz Quintanilla. Fala-se dos incêndios no Brasil e na Bolívia, mas pouco se sabe sobre o que está acontecendo na Colômbia ou na Venezuela. O especialista da FAN explica que, no Brasil, por exemplo, os incêndios florestais são conhecidos no sul do país, mas no norte, na fronteira com Guiana, Venezuela e Colômbia, ocorrem muitos incêndios.

Uma revisão de todas as fontes de calor registradas na AMA até agora em 2023 mostra um total de 359.509 registros, a maioria no sul da Amazônia, mas também no Cerrado e no Chaco Chiquitano, outros dois biomas que podem ser analisados ​​na plataforma, aos quais são adicionados parte dos Andes, o Pantanal e as florestas de Tucuman.

“No norte da Amazônia, o pico das queimadas, principalmente na Colômbia e na Venezuela, são os primeiros meses do ano, janeiro, fevereiro e março. Situação semelhante ocorre nesses países entre setembro e novembro. Há duas temporadas de fortes incêndios nesses países que estão relacionados às condições climáticas”, acrescenta Quintanilla.

Quintanilla também destaca que é importante olhar para os incêndios além das fronteiras dos países. Como exemplo, ele cita o que acontece na fronteira entre o Brasil e a Bolívia, na área protegida Noel Kempff Mercado, na fronteira com o Brasil, onde “não há comunidades ou populações e, no entanto, observam-se áreas queimadas. As queimadas ocorrem do lado brasileiro e com os ventos atingem a área protegida, não têm fronteira, avançam e destroem os ecossistemas que encontram em seu caminho.”

Também é possível saber a magnitude dos incêndios florestais. Por exemplo, foi identificado que durante o ano de 2020, os incêndios florestais excederam a média anual de queimadas na Amazônia. Além disso, sua presença é cada vez mais perceptível em áreas protegidas. Quintanilla destaca que 60% das queimadas em 2021, por exemplo, ocorreram em áreas que não haviam queimado antes e em territórios indígenas.

Plataforma AMA monitora focos de calor e áreas queimadas na Amazônia e outros cinco biomas. Fonte: RAISG.

Relação entre incêndios e desmatamento

Rodrigo Torres, coordenador da Unidade de Geografia da Fundação EcoCiencia no Equador, explica que eles compararam os dados do desmatamento com os dados das queimadas agrícolas.

A análise realizada constatou que a relação entre áreas queimadas e áreas desmatadas está ocorrendo em áreas que estão fora dos territórios indígenas e áreas protegidas, locais que foram transformados e têm uso agropecuário marcado.

Torres comenta que as informações históricas sobre as áreas queimadas —de 2016 a 2021— permitem observar que há áreas onde há cinco ou seis anos de queimadas. “Todo ano o mesmo polígono é queimado novamente.”

Torres destacou que a plataforma desenvolvida pela RAISG permite saber o que está acontecendo com os incêndios florestais em países como Equador e Venezuela, que não possuem sistemas de monitoramento local.

Entre 2000 e 2020, se perderam 54 milhões de hectares de floresta amazônica. Foto: Paz y Esperanza

Um olhar regional sobre o desmatamento

Nas análises feitas pela RAISG, grande parte do Brasil, principalmente o sul, a fronteira entre Brasil e Bolívia, assim como o sul da Bolívia aparecem como áreas com alto risco de desmatamento. Também a zona central do Peru, o norte da Colômbia e o setor entre a Cordilheira dos Andes e a Amazônia do Equador são vistos com grande preocupação devido à perda de florestas.

“A área de maior risco é o Brasil e isso tem a ver com nível de infraestrutura, estradas e acesso à floresta. Outro setor é aquele entre a Bolívia e o Brasil, que se tornou uma área de grande concentração de desmatamento”, diz Quintanilla.

Imagens de satélite também mostram que comunidades nativas e áreas naturais protegidas atuam como uma barreira ao avanço do desmatamento. No entanto, “nos últimos anos, o desmatamento está penetrando nesses territórios”, acrescenta Quintanilla.

As áreas protegidas são uma barreira para o desmatamento. Foto: Field Museum de Chicago

Fanny Kuiru, representante da Coordenadoria das Organizações Indígenas da Bacia Amazônica (Coica), destaca que ferramentas de monitoramento por satélite, como o AMA, permitem às comunidades indígenas “agir e tomar providências de forma rápida e oportuna para evitar incêndios florestais e desmatamento na Amazônia… Isso permite que as autoridades indígenas exerçam uma melhor governança territorial e protejam a Amazônia.”

Rodney Camargo, especialista em SIG da Friends of Nature Foundation, explica que o AMA, nesta primeira versão, concentra informações sobre as áreas afetadas pelos incêndios, alertas sobre focos de calor — dados da National Aeronautics and Space Administration dos Estados Unidos (NASA por sua sigla em inglês)—, e números sobre desmatamento. Uma versão posterior incluirá informações sobre mineração, hidrocarbonetos e usinas hidrelétricas. “Você quer ter todas as camadas de pressão na Amazônia em uma única plataforma”, diz ele.

Imagem principal: Bombeiro florestal trabalha com uma equipe de ataque rápido para evitar que o fogo avance em direção à comunidade de Aguas Calientes, em Roboré. Foto: Claudia Belaunde

 

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Mais recente de Blog

Pantanal

O Pantanal é reconhecidamente uma parte do Planeta com características especiais e particulares, características essas que