Menu

Abelhas não são os únicos polinizadores com problemas

As populações de abelhas estão em declínio e outros polinizadores também podem estar

Ted Fleming
Publicado em 19 de abril de 2018 às 15:15 Compartilhar:

Via Anthropocene Magazine
Por Brandon Keim

Quando pensamos em um polinizador, é muito comum vir à mente a abelha. Talvez a borboleta, mas provavelmente não: abelhas são as celebridades entre os polinizadores e tem sua importância reconhecida. É pouco provável que pensaremos em pássaros e ainda menos provável em morcegos ou lagartos – ainda que todos estes animais transportem pólen e ajudem as paisagens a florescer, os problemas que enfrentam são negligenciados.

“Embora muita atenção acadêmica e da mídia tenha se concentrado em insetos polinizadores, o papel dos vertebrados não é tão reconhecido”, descrevem os pesquisadores liderados pelo ecologista Fabrizia Ratto, da Universidade de Southampton (Inglaterra). Ratto e seus colegas, com quem publicou o novo estudo no jornal “Fronteiras na Ecologia e no Meio Ambiente”, esperam mudar esse cenário.

Eles descreveram sobre a extensão da polinização feita pelos vertebrados, realizada por não menos que 960 espécies de aves, junto com dúzias de mamíferos e répteis. Também realizaram 126 experimentos com plantas que foram colocadas em telas que só permitiam a passagem de insetos. Sem os vertebrados para polinizá-las, as plantas produziram 63% menos de sementes e frutas.

Para ficar claro, nem todas as plantas são assim. A maioria delas são polinizadas por insetos. Os pássaros polinizam cerca de 5% da média da flora da paisagem e tem esse número duplicado nas ilhas, enquanto os morcegos são conhecidos por polinizar 528 espécies de plantas em todo o mundo, e outros vertebrados visitam algumas centenas de outras plantas.

E é neste subconjunto de vertebrados que os experimentos revisados pela equipe de Ratto se concentra. Eles incluíram importantes culturas agrícolas, como as plantas selvagens cuja diminuição teria, sem dúvida, repercussões de longo alcance. E a diminuição é iminente: a cada ano, uma média de 2.5 de aves e mamíferos polinizadores se aproximam a categoria de ameaça à extinção.

Mesmo que muitas dessas espécies podem não ser extintas, os danos ainda acarretarão em grande perda de diversidade de polinizadores, segundo o co-autor do estudo Lynn Dicks, ecologista na Universidade de East Anglia. “Isso resultaria na diminuição da produção de sementes e frutos e teria repercussões em efeito cascata, por exemplo, na regeneração de plantas e na sobrevivência de animais frugívoros e granívoros”.

Além disso, de acordo com Dicks, as perdas serão graduais e maioria das pessoas não perceberá. Se não fizermos algo sobre esses declínios de polinizadores agora, nossos descendentes podem nem perceber o que perderam.

Fonte: Ratto et al. “Importância global dos polinizadores de vertebrados para o sucesso reprodutivo das plantas: uma meta-análise.” | Frontiers in Ecology and the Environment, 2018.

 

 

 

Compartilhar: