///

Como proteger as áreas úmidas ajuda o Clima

8 minutos de leitura

Publicado originalmente em 04 de fevereiro de 2021

Tradução livre de artigo da Deutsche Welle

Autoria: Tim Schauenberg

Embora as áreas úmidas cubram menos de 4% da superfície da Terra, 40% de todas as espécies animais vivem ou se reproduzem nelas. Um terço de toda a matéria orgânica em nosso planeta é armazenada em lugares como o gigantesco Pantanal no oeste do Brasil, a planície de inundação Sudd no sul do Sudão, ou no pântano de Wasjugan no oeste da Sibéria.

As áreas úmidas filtram, armazenam e fornecem água e alimentos ao planeta – mais de um bilhão de pessoas em todo o mundo dependem delas para seu sustento.

Eles também desempenham um papel fundamental na regulação do clima do planeta, de acordo com James Dalton da World Conservation Union (IUCN), uma organização ‘guarda-chuva’ de várias organizações governamentais e não governamentais internacionais.

Globalmente, as turfeiras e os solos turfosos armazenam duas vezes mais carbono do que a biomassa total de todas as florestas do mundo juntas.

Do armazenamento à liberação de CO2

Barragens , uso de água subterrânea, aumento da poluição da água e produção industrial e agrícola reduziram as áreas úmidas em todo o mundo em 35% desde 1970 . A América Latina está no topo da tabela com cerca de 60% das áreas destruídas – sem incluir as perdas na região do rio Orinoco na Colômbia e na Venezuela e na Amazônia. Nos países asiáticos, cerca de um terço de todas as áreas úmidas foram destruídas e na África mais de 40% foram perdidas.

O maior contribuinte para o aumento do estresse hídrico em todo o mundo é a agricultura. De acordo com números do Banco Mundial, 70% da demanda anual de água potável vai para a agricultura. Grande parte da água é usada para criar gado e ração animal, caso da soja.

A drenagem de áreas para extração de turfa é duplamente prejudicial ao clima. Não apenas a capacidade de armazenamento de CO2 é destruída, mas, “quando você drena essas terras, também libera os gases que estão armazenados nelas”, alerta Dalton – isso inclui o metano, um gás particularmente prejudicial ao clima.

À medida que as temperaturas sobem e as áreas úmidas secam elas podem ir de vastos estoques de gases do efeito estufa para fontes emissoras do gás. Quando ainda úmidas, elas armazenam carbono. Mas se  secam, inicia-se a decomposição do material biológico. Este processo libera carbono. Isso também é verdade para o  permafrost (tipo de solo encontrado na Antártida e no Canadá). 

Conforme as temperaturas aumentam, o derretimento acelera. Seu desaparecimento liberaria quase tanto CO2 quanto se os Estados Unidos continuassem queimando combustível fóssil na taxa anual atual até 2100. As temperaturas recordes na Sibéria no ano passado também causaram grandes incêndios em solos turfosos. A queima de turfa libera de 10 a 100 vezes mais CO2 do que a queima de árvores.

Zonas úmidas podem ajudar no combate a desastres naturais

As mudanças climáticas estão fazendo com que os desastres ambientais, como tempestades e inundações, se tornem mais graves. Áreas úmidas como as florestas de mangue e pântanos salgados próximos da costa podem ajudar a neutralizar esses processos.

Pesquisadores da Universidade da Califórnia em Santa Cruz calcularam que as salinas e pântanos reduziram os danos causados pelo furacão Sandy às casas na costa leste dos Estados Unidos, em 2012, em um total de US$625 milhões. Em alguns lugares, o dano evitado foi de até 70%, pois as áreas úmidas reduzem a força das ondas. Além da contribuição ecológica, “esse é o valor de nossas áreas úmidas hoje – e é por isso que precisamos investir em melhor proteção e garantir que estejam protegidas, afirma Siddharth Narayan, um dos autores do estudo. “Se elas forem perdidas, os danos que vemos hoje aumentarão.”

As zonas úmidas perdidas podem ser restauradas?

O processo de restauração de áreas úmidas destruídas é longo e caro.

Depois de quase 10 anos, cerca de 600 hectares (148 acres) de pântanos salgados e partes de uma lagoa natural no leste do Reino Unido foram restaurados em 2018. Mais de 500 anos atrás, as pessoas drenaram a área para a agricultura, destruindo em grande parte a área úmida natural. Além de fornecer um habitat natural para inúmeras plantas e animais, o pantanal alivia a pressão sobre as represas para a conservação de água. O valor da proteção costeira, sozinho, é estimado em um bilhão de libras.

“Claro, a restauração será necessária em muitos lugares. Mas se pudermos proteger o que temos por agora, acho que devemos nos concentrar nisso”, disse Narayan.

“Não podemos replicar esses sistemas”, acrescentou Dalton, da International Nature  Conservation Union (IUCN). A ironia, diz ele, é que estamos de fato destruindo alguns dos sistemas mais eficientes para atingir as metas de clima e biodiversidade. As florestas turfosas no Congo, na Amazônia, na Indonésia e na Sibéria, e nas florestas de mangue precisam urgentemente de melhor proteção. Até o momento, menos de um quinto das áreas úmidas do mundo, cobrindo uma área do tamanho do México, são protegidas. A maior parte dessas áreas estão na África, América Latina e Caribe.

Imagem de Capa: (Exemplo de uma zona com áreas úmidas, vitais para os habitat naturais e para o clima/Deutsche Welle)

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Mais recente de Blog

Pantanal

O Pantanal é reconhecidamente uma parte do Planeta com características especiais e particulares, características essas que