//

Eneas Salati: cientista dos rios voadores participou de estudo que revelou impactos da Hidrovia Paraná-Paraguai

8 minutos de leitura
Rios voadores, grandes massas de ar carregadas de umidade vindas da Região Amazônica para o Sudeste brasileiro. Há tempos essa expressão e seu significado vem se tornando popular. Em grande parte, pelo trabalho de décadas de pesquisa do professor Enéas Salati, que morreu no sábado, aos 88 anos, em Piracicaba (SP). Para além do seu importante trabalho com os rios voadores, Salati também foi um dos colaboradores do estudo sobre o a hidrovia Paraguai-Paraná que apontou graves falhas no estudo governamental do projeto. O estudo, publicado na década de 90, foi coordenado pelo pesquisador Mauricio Galinkin e contou com a participação de vários pesquisadores de referência.
“Pai” dos rios voadores, Enéas Salati também trouxe contribuições para o debate acerca da Hidrovia Paraná- Paraguai
O estudo realizado por 11 cientistas latino-americanos e norte-americanos concluiu que o projeto da hidrovia Paraná-Paraguai, se executado conforme os planos oficiais, pode destruir parte do Pantanal mato-grossense e trazer pouco benefício econômico para o Brasil. O objetivo do projeto é dragar um canal de navegação mais profundo ao longo de 3.442 km dos rios Paraná e Paraguai, retirar rochas, aumentar o ângulo de curvas desses rios e fazer outras obras de engenharia pesada para permitir a expansão do tráfego de carga. O custo do projeto não foi calculado pelo Ministério dos Transportes.

Esse tipo de projeto provoca o rebaixamento do nível do rio, o que deve acontecer no caso do rio Paraguai. Por causa disso, parte do Pantanal pode deixar de ser alagada.
Como os estudos oficiais deixam de seguir os padrões científicos na determinação desse rebaixamento da cota do rio Paraguai, segundo os hidrólogos que assinam a análise independente, não é possível prever o tamanho da área que deixará de ser alagada.

Prejuízos
Qualquer rebaixamento, entretanto, pode causar prejuízos, especialmente na época da seca, “quando as áreas úmidas são de fundamental importância para muitas espécies”, segundo o ecólogo John Melack, da Universidade da Califórnia.
Estudo recentemente publicado pelo cientista Stephen Hamilton, da Universidade Estadual de Michigan, que há mais de dez anos estuda o Pantanal, mostra as áreas dessa região que sofreriam impacto mais forte com o rebaixamento do rio Paraguai.
Uma redução de 10 cm no nível desse rio pode provocar, segundo ele, diminuição de 41% na área alagada do Pantanal em Cuiabá (MT), na época de estiagem. Se o rio baixar em 25 cm, essa ecorregião ficará toda seca, conforme o estudo.
Segundo Maurício Galinkin, 53, diretor técnico da Fundação Cebrac (Centro Brasileiro de Referência e Apoio Cultural), a consequência do rebaixamento será a morte da vegetação e dos animais que, no período de estiagem, sobrevivem graças às áreas alagadas espalhadas pelas chamadas planícies de inundação.
Os benefícios econômicos previstos são custo mais baixo de transporte e aumento das exportações de minério de ferro.
Segundo o estudo independente, as projeções de safras de soja e os preços do minério de ferro foram superestimados no estudo de viabilidade econômica do projeto.
Além disso, afirmam, não foram incorporados os custos ambientais e sociais, bem como os investimentos necessários para modernização e construção de portos, da frota fluvial e estradas e ferrovias para ligar a hidrovia às regiões produtoras, todos considerados essenciais ao projeto.

O estudo
O estudo independente foi realizado por especialistas em geografia, biologia, antropologia, economia, engenharia, gestão ambiental, hidrologia e zoologia, entre outros (veja relação abaixo).

A Hidrovia destruirá regiões como essa.


Foi feito por iniciativa de duas organizações não-governamentais: a norte-americana EDF (Fundo de Defesa Ambiental) e a Fundação Cebrac, de Brasília.
O estudo se baseia em relatórios oficiais dos cinco países envolvidos no projeto (Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai e Bolívia), que receberam financiamento do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) para fazer os estudos.
Os estudos foram feitos por dois consórcios internacionais: Hidroservice-Louis Berger-EIH (projeto de engenharia e estudo de viabilidade econômica) e Taylor-Golder-Consular-Connal (estudo ambiental). Segundo os cientistas independentes, os consórcios entregaram os estudos incompletos em dezembro de 96, depois de consumir 20 meses e US$ 7 milhões.

Professor Salati

Formado em 1955, em Engenharia Agronômica, pela USP, Salati teve uma carreira exemplar. Membro do Fórum de Mudanças Climáticas, foi professor da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiróz (Esalq), por duas vezes diretor do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), diretor do Centro de Energia Nuclear na Agricultura da USP, diretor técnico da Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável. Foi também assessor do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), em Washington, consultor do Banco Mundial e da International Finance Corporation (IFC).

Foi dele o estudo seminal, no fim dos anos 1970, que mediu o nível de reciclagem das moléculas de água na Amazônia, um ciclo tão gigantesco que faz com que essas moléculas – vindas do oceano e precipitadas sobre a floresta – sejam evaporadas e voltem em forma de chuvas na região entre 5 a 8 vezes. Quando, finalmente, essa enorme massa de ar se desloca no sentido dos Andes, migra para o Sudeste formando os “rios voadores“, fenômeno tão concreto que basta ler as notícias sobre as tempestades que afetam o país durante o verão.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Mais recente de Blog

Pantanal

O Pantanal é reconhecidamente uma parte do Planeta com características especiais e particulares, características essas que