/

A ameaça da Hidrovia

2 minutos de leitura

Conheça os principais pontos sobre o megaprojeto da Hidrovia Paraná-Paraguai, considerada uma ameaça sem precedentes para o rio Paraguai e o Pantanal.

  • O megaprojeto original da Hidrovia Paraná-Paraguai era para construir uma via de navegação industrial que permitisse o tráfego todos os dias do ano, 24 horas por dia, entre Cáceres (MT) e Nueva Palmira, no Uruguai.
As curvas dos rios precisariam ser retilinizadas para permitir a passagem contínua de embarcações
  • Para a navegação dos comboios de barcaças, o megaprojeto exige obras pesadas. Seria necessário explodir rochas, acabar com as curvas dos rios e aprofundar o leito do rio Paraguai.
A Hidrovia destruirá regiões como essa.
  • O megaprojeto de 1987 foi rechaçado na década de 90 do século, mas ele ressurge a cada tempo com novas feições, quase como uma fênix. A partir dos anos 2000 tentaram faze-lo por partes, sem apresentar o todo.
hidrovia-parana-paraguai
O projeto da hidrovia Paraná-Paraguai engloba pesadas obras de engenharia
  • A hidrovia Paraná-Paraguai é uma sentença de morte para o Pantanal: imagina o impacto de obras como a retilinização de rios para uma região tão frágil! Além disso, sua construção altera a dinâmica natural da água, ameaça animais pantaneiros e os povos que ali vivem.

A Ecoa acompanha os processos relacionados à Hidrovia Paraná Paraguai (HPP) desde sua fundação, no fim da década de 80 do século passado, por entender que o projeto – e suas variantes – pode gerar graves impactos ambientais com repercussão social negativa. Para saber mais sobre o assunto, acesse o material abaixo:

Hidrovia Paraná-Paraguai – Estado da Arte

Análise sobre o Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA) da Hidrovia Paraná-Paraguai

Eneas Salati: cientista dos rios voadores participou de estudo que revelou impactos da Hidrovia Paraná-Paraguai

A hidrovia que vale à pena é a “hidrovia limpa”, diz Alcides Faria ao Correio Braziliense

Alíria Aristides

Jornalista no núcleo de comunicação da Ecoa

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Mais recente de Blog