/

No rio Cuiabá, Expedição Fluvial elenca problemas que vão de esgoto a deques em excesso

4 minutos de leitura
Expedição Fluvial (Foto: Página 1)

O deputado Wilson Santos (PSD), responsável pela criação da lei que proíbe represas no rio Cuiabá, promoveu em janeiro deste ano uma expedição para analisar a realidade do rio Cuiabá e apresentar o plano de recuperação do rio.  

A atividade contou com pesquisadores e militares da Marinha do Brasil, que além de observar as águas e margens do principal curso de água que leva o nome da capital do Mato Grosso, realizou dez reuniões com autoridades locais, ribeirinhos, pescadores e população em geral em oito municípios. 

“O resultado é que vai nascer um grupo de trabalho com intenção de unir poderes, instituições, organizações do terceiro setor. Cada entidade terá uma tarefa a ser feita para ajudar a salvar o rio Cuiabá”, afirma Santos, requerente da expedição que foi aprovada pelo plenário da Assembleia Legislativa. 

Leia também: Barrageiros insistem em destruir o rio Cuiabá e o Pantanal

Foto: Prefeitura de Cuiabá MT

Nilma Silva, empresária e presidente da associação do segmento de pesca do Mato Grosso, participou da coordenação e logística da expedição. Segundo ela, a atividade gerou uma série de conclusões sobre a situação atual do rio.  

“Nossa análise conclui que, da nascente até a cidade de Cuiabá, se trata de um rio, após Cuiabá, é outro rio. Porque 90% da mata ciliar está preservada na parte superior ao rio Cuiabá. E, ao adentrar na cidade, questões antrópicas como esgoto, assoreamento, as dragas que destroem o rio Cuiabá estão em uma forma enfática na entranha do rio”. 

A questão das represas no rio Cuiabá também foi pauta das reuniões realizadas ao longo do percurso no rio. “Entre os pontos analisados, é unânime a opinião sobre a não construção de usinas no rio Cuiabá. São opiniões de prefeitos, de colônias, de pescadores e também de cientistas”.  

Neste primeiro diagnóstico, destacou-se também o número que excessivo de tablados, com cerca de 1300 num trecho de 670 km. No perímetro urbano de Cuiabá e Várzea Grande, foi observado despejo de esgoto no rio, assim como descarte de resíduos sólidos. 

As sugestões elaboradas a partir da expedição para solucionar problemas do rio e da população que depende diretamente dele incluem a retirada de areia que fica represada no Manso, instalação de radares meteorológicos, criação de rede pluviométrica automatizada, investimento em agricultura familiar e mudança no período de defeso – que hoje vai do começo de outubro até o fim de janeiro para o início de novembro com término no final de fevereiro.  

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Mais recente de Blog

Pantanal

O Pantanal é reconhecidamente uma parte do Planeta com características especiais e particulares, características essas que