//

Futuro da Amazônia está em jogo no segundo turno das Eleições 2022 – Destaques GT Infra

5 minutos de leitura

GT-Infra é o Grupo de Trabalho de Infraestrutura, uma ampla rede – que a Ecoa participa –  composta por pesquisadores e organizações não governamentais que debatem e definem estratégias para a área de infraestrutura no Brasil.

Veja abaixo as notícias publicadas na última newsletter divulgada pelo GT:

 

Imprensa internacional destaca que futuro da Amazônia está em jogo no segundo turno das Eleições 2022

A poucos dias do segundo turno das eleições presidenciais no Brasil, o telejornal diário NewsHour, da rede norte-americano PBS, abordou o assunto sob a perspectiva da floresta amazônica, dizendo que a escolha entre Lula e Bolsonaro também é, para muitos, escolher o futuro da Amazônia. O Padre Edilberto Sena é um dos entrevistados, representando as milhares de pessoas que lutam contra o avanço do agronegócio na região. No final, Carlos Nobre dá um tom de esperança ao comentar o plano de restaurar mais de 100 milhões de hectares de floresta degradada, principalmente no sul da Amazônia. Leia o texto completo, em inglês, aqui.

Também nesta semana, um editorial da Nature, uma das revistas científicas de maior prestígio no mundo, afirmou que só há uma escolha na eleição no Brasil e que Bolsonaro é uma ameaça para a ciência, a democracia e o meio ambiente. Leia aqui.

 

Maioria dos incêndios nos biomas brasileiros é provocada pelo homem, mas pode ser agravada pela mudança do clima

De 2011 a 2020, a frequência e a quantidade de queimadas da Caatinga, Mata Atlântica e Amazônia, que não têm condições climáticas que favoreçam o fogo, foi semelhante à dos biomas do Cerrado, Pampa e Pantanal, cujo fogo é um elemento natural. Esse padrão, levantado por pesquisa, publicada na revista científica PeerJ Life & Environment, indica que grande parte dos incêndios, em todos os biomas, são provocados pelo homem e não pelas condições naturais do clima. No entanto, projeções mostram que a mudança climática pode potencializar a ocorrência e a propagação dos incêndios.

 

Banco da Amazônia tem mais de 33 bilhões que poderiam ser investidos na bioeconomia, mostra novo estudo do Escolhas

Um novo estudo do Instituto Escolhas mostra que o Brasil tem sim dinheiro para investir em bioeconomia e ainda aponta onde se encontram esses recursos, que podem ser acessados por meio das políticas públicas federais e estaduais para fomentar a bioeconomia na Amazônia. Segundo a pesquisa, os ativos do FNO gerenciados pelo Banco da Amazônia somaram 33,8 bilhões em 2020, montante que poderia estar sendo destinado para atividades da bioeconomia.  Tomando como exemplo os estados do Pará e do Maranhão, a pesquisa, lançada nesta segunda-feira (24/10), também questiona os gestores de bancos públicos que alegam a falta de projetos de bioeconomia disponíveis para financiamento, especialmente na Amazônia. Acesse o estudo completo clicando aqui

 

GT Infra em ação

Opinião: Exigindo maior envolvimento público e salvaguardas por parte do AIIB

O Diálogo Chino publicou esta semana um artigo, assinado conjuntamente pelas organizações Latinoamérica Sustentable, Fundación Ambiente y Recursos Naturales (FARN), Sustentarse, Conectas Direitos Humanos e GT Infraestrutura, pedindo que o Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura aceite as contribuições da sociedade para sua estratégia energética. “Embora o banco tenha se comprometido a apoiar a transição para uma economia de baixo carbono, seus esforços até agora parecem modestos, tanto em termos de políticas como em relação ao seu portfólio de projetos de energia limpa. Para cada US$1 que o AIIB investe em energia renovável, ele gasta quase o dobro em combustíveis fósseis”, afirma o texto, que pode ser lido, na íntegra, aqui.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Mais recente de Blog

Boletim Sabores: Cumbaru

Material faz parte do Programa “Valorização de Plantas Alimentícias do Cerrado e do Pantanal”, da UFMS

Formigas polinizadoras

A espécie Camponotus crassus é a principal responsável pela fecundação de um tipo de sempre-viva do